Últimas Notícias

Dívidas atingem o bolso de mais de 6 em cada 10 famílias brasileiras

Dívidas atingem o bolso de mais  de 6 em cada 10 famílias brasileiras

O brasileiro está mais endividado em 2011 do que em 2010. De janeiro a maio, mais de 6 em cada 10 famílias (64% do total) tinham contas atrasadas, de acordo com uma pesquisa da Fecomercio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) divulgada nesta terça-feira (21). Nos primeiros cinco meses do ano passado, a inadimplência atingia 61% dos consumidores.

A entidade estima que mais de 8,86 milhões de pessoas estejam devendo alguma coisa na praça. Entre janeiro e maio de 2010, esse número estava em 8,4 milhões. Isso significa que ao menos 400 mil famílias passaram a atrasar o carnê, a fatura do cartão ou entraram no cheque especial.

O estudo analisou os gastos dos consumidores em todas as 27 capitais do país. A situação mais grave é a de Curitiba (PR), onde praticamente 9 em cada 10 famílias (88% do total) tinham dado calote em alguma conta. No começo do ano passado, essa porcentagem estava em 64%.

A porcentagem de pessoas inadimplentes é bastante parecida com a vista em Florianópolis (SC) e Aracaju (SE), com 86% cada. Má notícia para os florianopolitanos, que estavam com 66% um ano atrás; boa notícia para os aracajuenses, que tinham 92% de devedores na mesma época.

O total de caloteiros também aumentou em Maceió (AL), de 75% para 83%, e em São Luis (MA), de 68% para 82%.

Metade da população de São Paulo tem dívidas, segundo a pesquisa. A cidade é a que tem a menor porcentagem de caloteiros (50%). Em maio de 2010, esse número estava em 45%. Apesar disso, em número de pessoas, ela lidera: é quase 1,8 milhão de inadimplentes só na capital paulista.

Segundo a assessoria técnica da Fecomercio, o endividamento tem um vilão: o aumento das taxas de juros desde o começo do ano passado. Em março, a taxa básica Selic – que determina todas as outras taxas do mercado – estava no menor patamar da história (8,75% ao ano), mas desde então não parou de subir e agora está em 12% ao ano.

– A taxa de juros do Brasil, a maior do mundo, consumiu R$ 129,3 bilhões em 2010 e, até abril de 2011, outros R$ 55,1 bilhões. Esse valor poderia ter sido utilizado para movimentar a economia, ampliando o consumo, gerando poupança ou sendo aplicado em investimentos.

A federação diz que a população consumiu mais nos últimos anos graças à melhora no mercado de trabalho, ao crescimento da grana disponível para financiamentos e empréstimos e ao aumento dos salários dos trabalhadores, “principalmente nas classes de menor poder aquisitivo”.

Dívidas mais caras

Quando o assunto é valor da dívida, os paulistanos pagam os preços mais caros. Somados, eles devem mais de R$ 2,83 bilhões. Em seguida estão as famílias do Rio de Janeiro (R$ 2,32 bilhões), de Belo Horizonte (R$ 1,02 bilhão), de Curitiba (R$ 820 mi) e de Salvador (R$ 770 mi).

As cinco capitais onde o total é inferior a isso são Porto Velho (R$ 700 mi), Macapá (R$ 700 mi), Rio Branco (R$ 50 mi), Palmas (R$ 300 mi) e Boa Vista (R$ 20 mi).

Na média mensal, quem paga mais é o consumidor de Porto Alegre (R$ 2.145), seguido pelo de Vitória (R$ 2.061), Belo Horizonte (R$ 1.927), Florianópolis (R$ 1.857) e Rio de Janeiro (R$ 1.848).

R7

Veja também!

Itaipava emprego Alagoinhas

Dono da Itaipava divulga nota de esclarecimento sobre novas contratações

Grupo Petrópolis, dono da Itaipava, que possui uma unidade em Alagoinhas, divulgou nota esclarecendo forma de seleção para preenchimento de vagas de emprego.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *